Charlie Hebdo: as camadas do acontecido

ouvir músicaO crime foi hediondo. Houve um escabroso mas inconsequente ataque à liberdade de expressão. A onda de solidariedade que se lhe seguiu foi bonita… mas também assustadora: os ganhos políticos dos intervenientes, a ideia de não nos dividirmos – que remetem para a ideia de pensamento único.

Je suis Charlie proclamaram muitos, eu incluído. Rapidamente, porém, a unanimidade foi-se fragmentando. Surgiu depois a polaridade oposta: je ne suis pas Charlie – por estas e aquelas razões.

O acontecimento passado vai enchendo-se de novos acontecimentos e de um infinito número de racionalizações.

Charlie servirá de bandeira a que decisões? À lenta construção de um Estado securitário? À alimentação perpétua do medo? À construção de reticências à livre circulação de pessoas e bens no espaço europeu?

A que decisores políticos agradaria uma resposta afirmativa a estas questões?

Ser ou não ser Charlie: eis a questão.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s