A omnipotência das audiências

O cliente tem sempre razão: mas neste caso trata-se de um cliente consumidor de produtos culturais. Ou ainda, e mais precisamente: o cliente organizado em grupo. Chegamos, pois, à ideia da omnipotência das audiências. Duas ilustrações: a exigência que se fez a Salvador Sobral para tocar a sua canção mais emblemática – apesar do cantor […]

A cidade global e os movimentos de exclusão social

Desde há muito se sabe que existe uma competição espacial no interior da cidade moderna. Os mecanismos imobiliários relativos à compra, venda e aluguer de propriedades, por exemplo, ditam zonas caras, zonas in, como está na moda dizer-se, e zonas mal-afamadas em que se acumulam as situações de pobreza e de problemáticas sociais. Assim, diversas variáveis […]

Consumerismo: novo paradigma da saúde? Melhorando o impacto da educação em saúde

Pretende-se neste artigo explorar o paradigma do consumerismo como forma de comemorar o Dia Mundial da Saúde. Interessa-nos partilhar a forma como a diversas metodologias foram sendo empregues e desenvolvidas entre 2015 e 2017. Referimo-nos a instrumentos, mas também ao envolvimento dos alunos e da própria comunidade docente nas iniciativas da nossa equipa de cuidados de saúde primários. Pensamos […]

“Telebullying” na Palavra Comum

A palavra para uma nova violência: novas tecnologias, novos gestos dos homens. Ou então nem tanto: a inveja, o egoísmo, a sede de poder e de riqueza. Hoje, referir-nos-emos principalmente a esta última. Mas primeiro, um breve exercício etimológico: tele, do grego, que remete para a ideia de longe, de distância; e bullying, violência continuada que […]

Psicologia Clínica nos Cuidados de Saúde Primários: Formação e Carreira no SNS, Municipalização dos Serviços de Saúde A Urgência na Tomada de uma Posição Pública

Psicologia Clínica nos Cuidados de Saúde Primários: Formação e Carreira no SNS, Municipalização dos Serviços de Saúde A Urgência na Tomada de uma Posição Pública Rui Tinoco, Psicólogo Clínico nos cuidados de saúde primários Luís Pimentel, Psicólogo Clínico nos cuidados de saúde primários   A psicologia é uma profissão minoritária em muitas instituições herdeiras da […]

Onde está a Evidência na avaliação das psicoterapias?

Num momento em que as psicoterapias “manualizadas” ganham consensos um pouco por toda a parte, Shedler desconstrói muitos desses consensos, pondo-os em causa e até refutando-os, usando de fontes científicas e decisórias de primeira importância (por exemplo APA, 2013, que sobressai entre todos eles). O autor questiona a eficácia das Psicoterapias Cognitivo Comportamentais socorrendo-se de […]

Objeto Totalizante e o consumo do produto mediático: notícia

No espaço mediático, o acontecimento e a sua interpretação completam, não raras vezes, um círculo em que o telespetador fica excluído. Em poucas palavras: o acontecimento representado (porque televisionado) é capturado pelos comentários que o expurgam da sua subjetividade e polissemia – isto aconteceu desta e daquela maneira. Emergem atualmente peritos de impacto na opinião pública. […]

Como quero ser na internet?

Objetivo Promover a reflexão sobre o modo como quero ser (e aparecer na internet).   1ª fase O dinamizador explica o conceito de avatar: o outro eu na net que pode coincidir ou não com o modo como sou na realidade. Os alunos, organizados em grupos de trabalho, fazem desenhos do seu avatar, dão-lhe um […]

Jogar na net: diversão sem perigo?

Objetivo Promoção de reflexão sobre os jogos que possibilitam contactos via internet. Também se proporciona trabalho na temática da identidade de género. – 1ª fase O dinamizador introduz a questão dos jogos em ambiente virtual. Deve explorar que tipo de jogos o grupo conhece, quais os que são preferidos e os que não o são. […]

O meu amigo virtual

Objetivo Promover reflexão sobre o que é conhecer uma pessoa no mundo virtual.   1ª fase Discussão sobre se é possível ter um amigo virtual ou não. O dinamizador pode desenvolver uma atitude ligeiramente provocatória, mostrando-se céptico quanto à natureza dessa amizade. Avança para a fase seguinte quando o grupo se mostrar centrado na temática. […]

Vamos ser detetives?

Objetivo Promover reflexão, no grupo de jovens, sobre o modo como poucas informações podem levar a saber muito sobre uma determinada pessoa.   1ª fase Depois de organizados em grupos e de uma breve preleção sobre o propósito desta atividade, realiza-se um jogo do stop com nomes de pessoas (nomes próprios e depois de família). […]