Troca ritual, profissões da saúde e psicologia clínica: a importância do tempo

Muito do nosso quotidiano é estruturado em torno de trocas rituais. O que fazemos quase sem pensar e o que esperamos, automaticamente que o outro faça. Englobamos aqui, por exemplo, os mais banais «Bom dia» e o «está tudo bem?» – pergunta retórica para a qual não esperamos, a maior parte das vezes, resposta.

Assim, também muitas vezes no encontro entre um paciente e um profissional de saúde existe uma pré-narrativa que estrutura a consulta. Esquematizando: numa consulta médica o esperado pode ser a prescrição; numa consulta de enfermagem pode-se esperar o tratamento ou a partilha de alguma informação de saúde. Também para a nutrição poderei receber uma dieta ou uma série de diretrizes sobre o meu comportamento familiar ou ainda no serviço social sobre que apoios estarão disponíveis.

As trocas esperadas, para cada um destes profissionais, têm um percurso em si e um momento que o coisifica: a receita; a vacina efetuada; a dieta alimentar recebida etc… Esta ritualização da troca tem associado um tempo próprio, um tempo que é bem mais para além do tempo cronológico, um tempo que associa uma sensação de fim, ou de término, ao sucesso da troca efetuada.

*

Leia todo o artigo aqui

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s