Fábricas do mesmo: a liberdade na era digital

A aparência de diversidade: milhares de pessoas no metro, no trânsito, nas ruas em que nos vamos cruzando. Navega-se depois pela net: redes sociais, sugestões de links, de locais e de temas – no fundo, de comportamentos. Tudo se processa como se procurássemos nos media, internáuticos ou mais tradicionais, um mapa para decifrar todo o caos em que continuamente nos achamos imersos. De qualquer modo, acabamos o dia com uma sensação de triunfo: colecionámos links e likes, fomos reforçados nas nossas opiniões. Complexos algoritmos sugerem-nos notícias e compras, apresentam-nos amigos. São sistemas de recomendação que se baseiam nos nossos comportamentos anteriores para projetarem no futuro o nosso passado – e aparentemente com sucesso crescente. A literatura científica compete no aperfeiçoamento de programas informáticos, no fundo máquinas para nos ensinar opções nas nossas existências humanas.

*

Continue a ler aqui

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Google photo

You are commenting using your Google account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s