Abelardo e Heloísa: um comentário

É mais fácil dizer quando não estás, quando uma ausência relativa apaga o risco do dizer. Somos todos um pouco assim. Heloísa confessou o desejo ao papel: entregou-se simbolicamente, antes de o fazer no seu corpo. Escreveu-lhe depois: falou sobre a entrega para a evocar novamente nos sentidos ao imaginar-se para ele. Abelardo sabia o que […]