Abelardo e Heloísa: um comentário

abelardo e heloisaÉ mais fácil dizer quando não estás, quando uma ausência relativa apaga o risco do dizer. Somos todos um pouco assim. Heloísa confessou o desejo ao papel: entregou-se simbolicamente, antes de o fazer no seu corpo. Escreveu-lhe depois: falou sobre a entrega para a evocar novamente nos sentidos ao imaginar-se para ele.

Abelardo sabia o que fazia – ou vangloriava-se perante terceiros? – os gestos que lançava na sua escrita preparavam os que viriam a seguir, no mundo real.

Freud, passado meio milénio, propôs a técnica da associação livre, pois achava que se terapeuta e cliente não mantivessem contacto ocular, os conteúdos seriam acedidos mais rapidamente.

Perguntam-nos agora sobre o porquê dos jovens (e não só) desenvolverem relações de amizade muito rapidamente numa sala de chat ou numa rede social. Eles estão também, como Abelardo e Heloísa, perante uma presença parcial do outro. Uma presença que terá de ser preenchida pela imaginação…

Comentário livre a uma passagem de Abelardo que pode ler aqui

RT, 2012.

*

Também poderá estar interessado em ler:

Telepresença

Os cyber-cafés: o mundo virtual e a dissipação dos corpos

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s