Comunidades terapêuticas livres de drogas: da intervenção ideológica à intervenção psicoterapêutica

revista toxicodependênciasArtigo com fins pedagógicos sobre a evolução das comunidades terapêuticas livres de drogas. A realização deste intento permitiu a elaboração de uma lista de critérios de qualidade sobre este género de instituições.
Debruçamo-nos, neste artigo, sobre o desenvolvimento das comunidades terapêuticas livres de drogas. Para isso, detemo-nos na tradição norte-americana e na tradição europeia. Estamos perante dois modelos opostos, a saber: o hierárquico e o democrático. De seguida, fazemos uma reflexão sobre o modo como estas duas tradições se combinam no funcionamento de uma comunidade terapêutica actual. Este percurso permite-nos a conceptualização de certo critérios de qualidade que poderão presidir à avaliação de uma determinada CT.

Referência:
Tinoco, R. (2006). Comunidades terapêuticas livres de drogas: da intervenção ideológica à intervenção psicoterapêutica. Toxicodependências, 1, 21-30.

Leia o artigo completo aqui.

*

Também poderá estar interessado em ler:

As potencialidades clínicas do biograma – algumas reflexões

A abordagem biográfica das toxicodependências

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s