Nota sobre artigo de meta-análise sobre técnicas de relaxamento

Figura humana de CostahTrata-se de um trabalho que pretende comparar o grau de eficácia de várias técnicas de relaxamento, incluindo a meditação, no tratamento de diversas perturbações de ansiedade.

O uso de ansiolíticos tem eficácia a longo termo relativamente limitada e por isso a comunidade científica tem evoluído para a combinação de uma abordagem somática com aproximações de cariz psicológico.

O trabalho faz ainda algumas considerações sobre a prevalência das perturbações de ansiedade, a diferença entre géneros, bem como lista algumas indicações que as técnicas de relaxamento podem ter no que diz respeito a doenças de cariz somático: o treino autogénico e angioplastia coronária, o uso de diversas técnicas de relaxamento na hipertensão e no controle dos efeitos secundários da quimioterapia.

Os artigos que foram admitidos para meta-análise revelaram uma maior utilização do treino progressivo seguido do treino autogénico e de meditação. Apenas um estudo utilizou o método de relaxamento aplicado de Öst.

Em termos de instrumentos utilizados na investigação, tendo em vista a monitorização e controle do nível de ansiedade, o STAI foi o questionário mais usado, seguido pelo Inventário de Ansiedade de Beck e a Escala de Ansiedade e Depressão Hospitalar.

A meditação foi a técnica que mais sucesso teve na redução da ansiedade, embora todas as outras técnicas sejam efetivas em relação a este objetivo, junto de utentes com perturbações de ansiedade. No entanto, o treino de relaxamento progressivo demonstra maior nível de eficácia quando se faz análise estatística no interior dos próprios grupos experimentais.

Monitorizaram-se ainda outras variáveis como os tipos de utentes, no grupo de controle, com doenças psicológicas e psicossomáticas e com problemas médicos. O relaxamento foi mais eficaz a reduzir a ansiedade nos indivíduos com doenças psicológicas e de cariz psicossomático.

Também a sugestão para a treino do relaxamento em casa, como reforço das sessões conduzidas pelo terapeuta parece ter um efeito de aumento da efetividade na redução da ansiedade.

Outro dos resultados obtidos tem que ver com a vaiável idade: as pessoas idosas beneficiam menos do relaxamento do que as pessoas mais novas.

Os autores chamam a atenção ainda para as limitações do trabalho nomeadamente o número desigual de artigos nas diversas condições experimentais do estudo. Também no que concerne à importância do grupo de controle, pode ter havido um efeito de lista de espera que poderá ter enviesado os resultados.

Uma outra limitação, esta que tem que ver com o modo como os artigos científicos são publicado, valorizando os estudos que obtém resultados em detrimento dos que não acham nada, poderá distorcer os resultados finais, especialmente num trabalho como o presente que utiliza as metodologias quantitativas inerentes a uma meta-análise deste género.

*

Manzoni, G. M., Pagnini, F., Castelnuovo, G., & Molinari, E. (2008). Relaxation training for anxiety: a ten-years systematic review with meta-analysis. BMC psychiatry, 8(1), 41.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s